good-review
Veja o que
temos a oferecer
Conhecer mais
destination
Vivencie a nossa
qualidade de vida
Conhecer mais
Serviços
map4
Visite o nosso
património classificado
Conhecer mais
bench
Aventure-se nos
percursos pedestres
Conhecer mais
compass
Explore a nossa
diversidade cultural
Conhecer mais
museum
Participe dos
nossos eventos
Ver Agenda
Bem-vindo
a Oliveira do Hospital
Conheça o município
Bem-vindo a
Oliveira do Hospital

Oliveira do Hospital é um dos mais belos concelhos do distrito de Coimbra e da Serra da Estrela.

Mostra “Da Nossa Terra” incentiva agricultura familiar

“Da Nossa Terra” – a mostra de produtos biológicos e agrícolas em modo de produção artesanal dinamizada pelo Município de Oliveira do Hospital e pela ADI – Agência Para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital, continua a representar um importante espaço de promoção e apoio à pequena economia agrícola de cariz familiar contribuindo para práticas de desenvolvimento sustentável local.

Pioneira na região, há mais de cinco anos que é responsável por levar até às bancas do Mercado Municipal, no segundo sábado de cada mês, os produtos da época que se destacam pela frescura, qualidade e produção em modo artesanal.

Ao conjugar a componente de valorização dos produtos locais, a componente comercial e componente de educação e sensibilização para a preservação dos estilos de vida tradicionais e os valores da ecologia, esta mostra é lugar de preferência dos consumidores, muitos deles, clientes desde a primeira hora como atestam os produtores presentes.

“Da Nossa Terra” constitui, por isso, um exemplo de boas práticas, e recentemente contribuiu também o bom desempenho de Oliveira do Hospital nos indicadores avaliados no âmbito do programa ECO XXI, nomeadamente no item “Práticas na Agricultura e Desenvolvimento Rural Sustentável”, e que conferiu ao concelho a bandeira verde “ECO XXI – Municípios Sustentáveis”.

Edmaro Rodrigues e Maria Gracinda Mendes são presenças assíduas na mostra. Trazem com eles, além dos produtos hortícolas excedentes outros confecionados para o efeito, entre licores e compotas no caso do produtor de Alvoco das Várzeas, ou biscoitos, coscorões e bola de bacalhau feitos pela mão da produtora que mora às portas da cidade.

Satisfeitos com a participação, partilham além da banca, a opinião de que a agricultura familiar e de produção artesanal tem futuro. “Se não se semear não se colhe” diz Edmaro junto a uma enorme abóbora colhida no seu quintal, assinalando que “é bom para ensinar muito sobre a alimentação às gerações mais novas”. Embora veja que “há pessoas que dão valor” a este tipo de produção sublinha que a agricultura de modo artesanal “deve ser apoiada e reconhecida”.

Mesmo ao lado estava, no passado sábado, Maria da Glória Nunes que durante mais de três décadas vendeu na praça e por isso tem também os seus “fregueses certos” que procuram os seus produtos hortícolas e fruta.

Para esta produtora, “se as pessoas tiverem amor à saúde” as compras na mostra “Da Nossa Terra” são a melhor opção porque “aqui compram bom e de boa qualidade”, diz enquanto conta que há clientes que sabem dar valor a estes produtos e os procuram para uma alimentação mais saudável, nomeadamente quem tem crianças pequenas. “Tenho pessoas que vêm cá para comprar a cenoura ou outros legumes para fazer a sopa para os bebés. Dizem que é melhor”, refere.

Na banca ao lado, duas produtoras – Inês Henriques e Cristina Ascensão – trazem sabores que resultam de saberes antigos e da tradição. Falamos do pão, do bolo doce e da tigelada que Inês Henriques coze em forno de lenha bem cedo pela manhã, e traz ainda quente para o Mercado Municipal.

Este é o seu cartão de visita na mostra e para sua satisfação costuma escoar rapidamente entre os seus clientes habituais e outros que se rendem ao cheiro do pão fresco.

Já para Cristina Ascensão, o melhor convite que pode dirigir aos consumidores da mostra “Da Nossa Terra” são os enchidos que ela própria faz “de forma artesanal, à moda antiga, e seco em fumeiro” como ditam os saberes ancestrais. “Aqui encontra o melhor, não têm corantes nem conservantes”, acrescenta.

Sopa de Castanha

Com um estatuto de excelência, o evento regressou ao seu espírito de origem e tem oferecido, desde que atingiu o seu 5.º aniversário, uma saborosa sopa com a marca “Da Nossa Terra”, em jeito de convite aos consumidores. Desta vez foi uma Sopa de Castanha, oferecida pela Junta de Freguesia de Aldeia das Dez, com vista à promoção da XIV Festa da Castanha que se realizará em Aldeia das Dez/Vale de Maceira a 24 e 25 de outubro.

Bem vindo