Artigos

Percurso: Rota dos Rios

Partida: Alvôco das Várzeas

Chegada: Vila Pouca da Beira

Descrição: Crê-se que Alvôco das Várzeas é uma povoação muito antiga. O aparecimento de mós e moendas e o legado de antroponímios que ainda hoje existem em Alvôco provam que esta povoação foi ocupada pelos romanos devido, talvez, à proximidade das explorações minerais existentes nas várzeas do rio Alvôco.

Nesta localidade pode visitar a Igreja Paroquial que tem como orago Stº. André, sendo uma obra de arquitetura em continuação da tradição regional setecentista, do século XIX.

Como motivo de maior interesse na freguesia, e de visita obrigatória, é a sua Ponte Medieval, embora conhecida pela tradição popular como “ponte romana”. Monumento Nacional. Pensa-se que terá sido construída no século XIV. É uma boa construção de alvenaria, muito singulada, de dois arcos. O arco principal é uma curva quebrada, gótico, e de grande abertura; o outro, menor, é de traçado semicircular mas irregular. É de duas águas, sendo o ramo da margem direita mais extenso e muito inclinado. Mede cerca de setenta metros de comprimento.

Junto da Ponte existe uma Praia Fluvial e Parque Merendeiro, na zona ribeirinha do Rio Alvôco (talvez o curso de água menos poluído da Europa), arborizada e devidamente infra-estruturada e com equipamentos de lazer associados.

Curiosas são as Alminhas do Terreirinho que segundo a superstição popular é um local onde se reúnem as bruxas para «congressos» e «ações de formação», situado à saída povoação, na estrada de Âlvoco das Várzeas para a Carvalha.

Ao longo das margens do Rio Alvôco existem diversos moinhos que acrescentam algo de muito peculiar e interessante a este espólio. São eles o moinho do Parente, o moinho das Nogueiras, o moinho da Ribeirinha, o moinho da Volta, o moinho da Moenda (este em funcionamento desde o século XVIII e integrado na unidade de alojamento turístico designada por Quinta da Moenda), o moinho da Regada, o moinho do Chão do Paulo.

Interessante é ainda a Levada, sendo esta um sistema de irrigação comunitária, talvez o maior da região (7Km) e que provavelmente remonta à época romano/árabe. Tem origem no açude de Candam, no Parente e termina no lagar antigo de Alvôco das Várzeas, no Chão Novo.

Agora deixe-se guiar pelo Rio Alvôco até à Ponte das Três Entradas, admirando os recantos e belezas deste vale, onde nas margens e encostas se encontram espécies de fauna e flora raras na região.

De novo na Ponte siga para Avô, terra do poeta-guerreiro Brás Garcia de Mascarenhas, autor do poema épico Viriato Trágico.

Avô é uma povoação muito antiga e difícil se torna determinar com precisão a sua origem. Por aqui andaram os romanos na pesquisa de minérios de chumbo e ouro. Há boas razões e vestígios para crer que tenham sido eles os fundadores do castelo, e à volta deste, o primitivo aglomerado populacional. Chamou-se Couto de Avao, porque, não havendo pontes sobre o rio Alva e a Ribeira de Moura, só se podia entrar no velho burgo atravessando «a vau» (ad vadum). Foi couto real de D. Afonso Henriques que o doou à sua filha natural D. Urraca Afonso.

Teve foral outorgado por D. Sancho I a 1 de Maio de 1187. D. Manuel I concedeu-lhe foral novo a 12 de Setembro de 1514. Aí pelos meados do século XVIII Avô era terra importante na região. Já o Padre Caetano de Sousa dizia, na informação paroquial pedida, após o terramoto de 1755: «Tem esta vila juiz ordinário, quatro vereadores, um procurador, dois escrivões do público, tudo posto pelo corregedor da comarca da Guarda; também tem juiz de órfãos posto por Sua Majestade…»

O concelho foi extinto por decreto de 24 de Outubro de 1855. Foi (re)elevada à categoria de Vila pela Lei nº. 48/95, de 30 de Agosto.

A sua visita nesta localidade pode começar pela Igreja Matriz que tem como orago N.ª S.ª da Assunção, sendo a sua construção inicial do século XII. Segundo a tradição, foi mandada erguer por D. Afonso Henriques, tendo sofrido diversas transformações que lhe desfiguraram o traçado original, a última do século XVIII, 1764.

A Ermida ou capela de S. Miguel, classificada de Imóvel de Interesse Público merece também a sua visita. Do século XVI-XVII, talvez uma reconstrução de um edifício medieval. Julga-se ter esta sido mandada reconstruir por Brás Garcia de Mascarenhas no século XVII, possuindo um belo portão ogival de fins do século XVI.

Na freguesia pode também visitar o castelo de Avô, atribuindo-se a sua fundação aos romanos, mas ninguém pode assegurar que não tenha origens posteriores, godos ou árabes, tendo passado por diversas vicissitudes desde que foi mandado arrasar por D. Sancho I devido a divergências entre o Rei e o Bispo de Coimbra. Hoje apenas conserva restauros, um pequeno pano de muralha e a portada ogival. Classificado Imóvel de Interesse Público.

Merecem também a sua visita o Pelourinho, do século XVI, manuelino, pertence ao grupo de pelourinhos classificados do tipo de "pinha", também Imóvel de Interesse Público; a Casa da Câmara, medieval, desconhecendo-se a data da sua construção, tendo funcionado nesta casa o Tribunal e a cadeia do antigo concelho de Avô e a Casa Brás Garcia de Mascarenhas, do século XVI, ostentando soberbas janelas manuelinas, sofreu já diversas modificações e acrescentos em algumas partes do edifício, foi nesta casa que nasceu o poeta-guerreiro Brás Garcia de Mascarenhas.

Não deixe Avô sem fruir a bela praia fluvial da Ilha do Picoto, muito bem infra- estruturada onde pode nadar, andar de barco, pescar, etc. Da praia pode ainda ter vista magnífica sobre a Ponte sobre o Rio Alva, cuja construção se atribui ao Rei D. Dinis, de um só arco e a Ponte sobre a Ribeira de Pomares, de três arcos.

A sua visita termina a esta freguesia com uma surpresa muito agradável. Ao sair de Avô no cruzamento com a EN 230, vire à esquerda, na direção de Vila Pouca da Beira e a meio do caminho encontra um magnífico miradouro denominado «Varandas de Avô», batizado pela rainha D. Amélia, que muito apreciava a região, com vista sobre o Vale do rio Alva e sobre a Vila de Avô.

Depois de um dia tão preenchido deixamo-lo por Vila Pouca da Beira.

Teve estatuto municipal, supondo-se ser a sua primeira carta de foral anterior ao século XIV. A referência mais antiga que se conhece de Vila Pouca consta das Inquirições de 1258, onde se cita o seu juiz e de onde se presume que esta povoação fosse, já na época, sede de concelho. D. Manuel I concedeu-lhe foral novo a 20 de Dezembro de 1519. O concelho foi extinto por decreto de 6 de Novembro de 1836, integrando-se nessa data a sua única freguesia no concelho de Avô até à extinção deste, em 1855 e à sua passagem para o concelho de Oliveira do Hospital, onde ambas permanecem hoje.

Terra de Genoveva do Espírito Santo, que nasceu e viveu entre os séculos XVIII-XIX; foi uma pastora pobre e analfabeta que posteriormente fundou o Convento do Desagravo do Santíssimo Sacramento onde existe uma ampla e majestosa Igreja. Do século XVIII é a mais interessante construção da freguesia e foi, segundo reza a sabedoria popular, instituído para desagravo de um sacrilégio cometido por uma mulher do povo. O bispo-conde D. Francisco de Lemos de Faria Pereira Coutinho foi quem concedeu licença para a sua fundação a 19 de Agosto de 1780.

Hoje reconvertido numa moderna Unidade Hoteleira é um baluarte da imensa riqueza histórico-cultural Beirã, a Pousada de Vila Pouca da Beira é, por isso mesmo, um ponto de encontro obrigatório para quem pretende descobrir as melhores especialidades gastronómicas e os encantos naturais de uma das mais singulares regiões de Portugal.

A sua visita a esta freguesia completa-se com uma ida até à Igreja Paroquial que tem como orago S. Sebastião, de construção primitiva do século XVIII e reedificada em 1818. Como património têm ainda alguns belos exemplares de construções particulares do século XVI, algumas delas com particularidades muito interessantes do ponto de vista histórico-arquitetónico.

NOTÍCIAS

Crianças sensibilizadas para a Igualdade de Género

A sensibilização da população para as questões da Igualdade de Género, em diferentes momentos da...

Oficina do território: um programa educativo para Oliveira do Hospital

Durante o mês de julho, o Município de Oliveira do Hospital vai promover a formação...

ETAR de Oliveira do Hospital | Aviso à População

A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Oliveira do Hospital (ETAR), da responsabilidade da...

Semana Municipal para a Igualdade em Oliveira do Hospital

O Município de Oliveira do Hospital prepara-se para assinalar o seu Dia Municipal para a...

Marchas Populares de Oliveira do Hospital prometem grande noite no Parque do Mandanelho

O Município de Oliveira do Hospital reedita no próximo sábado, a partir das 20h30, no...

III Torneio Inter-Freguesias Futebol 7 coloca mais de 150 participantes em competição

A 3ª edição do Torneio Inter-Freguesias de Futebol 7 arranca esta quarta-feira, dia 14 de...

Câmara Municipal de Oliveira do Hospital abre gabinete de apoio técnico para micro e pequenas empresas

O Município de Oliveira do Hospital disponibiliza a partir desta segunda-feira, 12 de junho, apoio...

Férias Ativas nas Bibliotecas Municipais: inscrições abertas

Estão a decorrer as inscrições para a participação nas “Férias Ativas”, o Programa Ocupacional de...

Comércio local motivado para a eficiência energética e gestão de resíduos

Para assinalar o Dia Mundial do Ambiente esta segunda-feira (5 de junho), o Município de...

Festival Municipal da Canção proporcionou uma noite de talentos

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital dinamizou no passado sábado, 3 de junho, a...

Oliveira do Hospital vai ser um dos primeiros municípios do país sem fossas séticas coletivas

O Município de Oliveira do Hospital recebeu o Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins...

Projeto “Mini Repórteres” sai para a rua

O Município de Oliveira do Hospital vai dinamizar um novo projeto denominado “Mini Repórteres” dirigido...

Venha e Descubra Oliveira do Hospital

Come and Discover Oliveira do Hospital
Filmes de divulgação turística do Município de Oliveira do Hospital


ÁGUAS E SANEAMENTO

Aceda aos nossos serviços de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

GIP EMPREGO

Apoiar jovens e adultos desempregados para inserção ou reinserção no mercado de trabalho

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

Consulta de Planos, Plantas de Localização, Mapa Interactivo

PDM

Consultar os planos municipais de ordenamento do território e programas de ação territorial

O CONCELHO

A GASTRONOMIA

PATRIMÓNIO

AS ACTIVIDADES

CONTACTOS

 

Username *
Password *
Remember Me